11.23.2010

Pedra. Sonho.



Sonho quebrado

Embora fluído

Pedra de bater

Firmeza no ar

Pluma voando

Nó de rabiola

Porta aberta

Afora o abismo

Saída invisível

Gritando o encontro

Prisão de areia

Horizonte vazio

Pena do pesar

Dor colorida

Profundeza

Quem a vê?

Superfície

Eis-me aqui.

4 comentários:

Alice Voll disse...

credo, que agonia!

Lady Lycosa disse...

oie moça, mudei de endereço :)
http://paraalemdobem.blogspot.com/

PS: putz, adorei o texto!

Salve Jorge disse...

Sabe
Eu tenho esse vício
Pelo precipício
É que não cabe
Esse tanto que vem desde o início
Mas cujo fim
Ao menos pra mim
Pode ser estrupício
Que eu faço dele jardim
E sabendo serem seus olhos férteis
Que valem por três.. ou seis
Tenho certeza
Que vossa alteza
Logo sonha outra vez...

Gabriele Moura disse...

Ei,se as coisas belas estão a sua frente as desfrute, por favor!
E se não tem arranja um jeito de encontrar a beleza :)