12.13.2010






Olhos negros, olhos meus

Nada mais quero destas coisas falsas.


Destes que fito agora

Cor de melado frio

Gosto de açúcar aguado

Cujo sabor envelhece-me.


Mas o pedaço vivo da carne

Pulsando calada

No teu sonho entrelaçado.


Pois mesmo sem querer

Sei deste seu castanho espelhado

Que é morna contingência aflita

Espada no canto...


Sucumbe tua verdadeira cor

O teu céu nunca estrelado.



*Férias da faculdade, em fim... =)

*Equilibrando uma reabilitação alimentar com a vontade de cerveja gelada, especialmente tentadora nesta época do ano.

*Tentando me embebedar da vida...

Uma excelente semana!!!




2 comentários:

Salve Jorge disse...

Beba a vida
Afinal a referida
Lhe deve boas doses de euforia
Por você nos agraciar a cada dia
Com sua energia colorida
Mesmo se em meio ao melado frio
Eu escuto o teu assovio
Esse canto de esperança
Essa fina sabedoria
Que sabe da dança
E me encanta como uma criança
Afundada num abraço
Que se confusão eu caço
Amizade não desfaço
E vossa grandiosa senhoria
É poeta e poesia
De fazer valer tempo e espaço
E grato
Agradeço sempre...

Lady Lycosa disse...

Parei com as bicadas na cerveja há um tempinho..ai,ai...faz falta! rs...
Pensando ainda se vou ou não beber no ano novo ou será apenas um copo de champanhe..rsrs...